Kau Mascarenhas \| FOFOCA NA EMPRESA
Kau Mascarenhas \| FOFOCA NA EMPRESA
FOFOCA NA EMPRESA Imprimir E-mail

O Poder das Palavras: 
Maledicência no Ambiente de Trabalho
(Texto e ilustração de Kau Mascarenhas)
 
“Você já soube da última?” Tudo pode começar com uma simples pergunta como essa. 
A excelência da comunicação e das relações interpessoais na empresa pode ser prejudicada pela fofoca.
Apesar do contexto ser profissional, podemos começar nossa conversa aqui chamando mestres espirituais para nos ajudar com esse problema.
Iniciarei citando um episódio descrito no Novo Testamento.
Quando alguns fariseus criticam Jesus por Seus discípulos não lavarem as mãos antes de pegarem o pão para comer, ferindo a tradição dos anciãos que recomendam não ingerir alimento sujo, Ele responde que “aquilo que contamina o homem não é o que entra pela boca, mas o que sai dela” (Mt 15:12).
Viajando ainda mais no tempo, nas tradições espirituais do zen budismo, encontramos a maledicência como falta grave.
Há um código de ética na maioria dos mosteiros que fala sobre preceitos morais e um deles é assim descrito: “eu decido não falar sobre as falhas alheias mas sim ser compreensivo e solidário” e continua explicando origens e consequências dessa falta que é considerada uma das dez mais graves, bem como uma espécie de orientação para saná-la: “Declarações falsas e maliciosas, por sua própria natureza, são atos de alienação que originam-se de uma percepção ilusória de oposição entre “eu” e “outros”. Geralmente a injúria traz como consequência a dor para os outros, e a fragmentação para a Sangha (o grupo, a comunidade) . Quando surgir a intenção de injuriar, esforçar-se para compreender as raízes deste impulso.”
A atenção moral na religião em relação aos malefícios da maledicência são antigos como podemos ver.
  
Na filosofia clássica
Notamos uma visão interessante descrita por Platão em seu livro Fedro. O texto apresenta um diálogo em que Sócrates traz a palavra phármakon – que seria literalmente “poção” em Português – como uma analogia para a linguagem. Assim sendo, falar pode ser um ato visto como remédio, veneno ou cosmético.
De forma positiva, as palavras lançadas são como medicamento e curam alguns males, aproximam, expressam amor e impulsionam crescimento. Mal conduzidas e repletas de conteúdos nocivos as falas seriam capazes de matar a felicidade nas relações humanas, portanto, seriam como um veneno. E, tais quais cosméticos, palavras também podem mascarar ou distorcer realidades, embelezando aquilo que carrega um mal em sua essência.
Essas três analogias podem ser evidenciadas no ambiente de trabalho, onde uma inocente fofoca pode ser responsável por sérios problemas.
Há pessoas que não falam para o colega imediatamente aquilo que sentem e pensam de uma forma corajosa e respeitosa. Preferem  comentar seus julgamentos com terceiros na surdina.
Optam por ser bonzinhos e usar uma espécie de máscara em vez de apresentar uma crítica de forma construtiva. Assim permanecem sendo “legais” e “bacanas” mas dessa forma perdem a chance de ajudar de forma ética e assertiva alguém que poderia ser beneficiado com suas críticas, orientações ou sugestões.
 
A cara da fofoca
Assim vigora a cultura da fofoca que pode ser de diversos tipos:
A fofoca guarda-costas: "Olha, estou alertando sobre Fulano para proteger você desse mau caráter".
A fofoca boazinha: "Você sabe o que Fulana anda fazendo? Isso, isso e isso. Mas você sabe que eu gosto muito dela. Só estou contando pra todo mundo para podermos ajudá-la de alguma forma". 
A fofoca curiosa: "Eu tenho notado certas coisas... Será que fulana está saindo com o chefe?"
A fofoca não assumida: "Eu ouvi dizer que Fulano fez tal coisa. Esse povo é tão fofoqueiro, não é? Fala tanta coisa. A gente nem pode acreditar nisso. Mas... onde há fumaça há fogo, não?"
A fofoca panela de pressão: "Eu tenho que te contar algo que está me angustiando. Não posso guardar mais isso comigo, senão vou explodir!"
E todas elas trazem sérios problemas ao ambiente de trabalho.
 
Seria um vício?
A maledicência é tão comum... Seria ela uma mau hábito ou uma tentação irresistível? Algo realmente muito humano de que não se pode fugir?
Isso é o que se fala costumeiramente. De certo modo se investigarmos nossa vida em termos do que comunicamos veremos fofocas nas quais entramos como fofoqueiros ativos ou passivos. Sim, da mesma forma que há corrupção passiva, ação daquele que recebe a propina, e assim como há o fumante passivo, o que respira silenciosamente as baforadas alheias, existirá o fofoqueiro passivo. Trata-se de todo aquele que escuta, que dá audiência, para o fofoqueiro ativo sem interromper o processo.
Nenhum maledicente permanecerá no vicio se não houver os que lhe alimentem o comportamento ou que lhe sejam receptivos.
Há muitos motivos para a fofoca e um deles parece apontar para uma ideia de vicio. 
Todos nós temos comportamentos automáticos. De tanto repetirmos determinadas atitudes, formas de pensamento e até mesmo modelos de comunicação, vamos criando circuitos e caminhos neurais no cérebro que se fortalecem com a repetição desses comportamentos. Ou seja, assim como se terá mais dificuldade de deixar o alcoolismo por força do hábito, um fofoqueiro contumaz também se verá com problemas para deixar o hábito de falar mal da vida alheia quanto mais repetir esse ato.
O grande problema é que ele não percebe o que está fazendo de ruim para a própria vida e para seus relacionamentos no meio profissional, já que quando Matilde fala de Alzira, está falando mais de Matilde do que de Alzira. O que falamos de mal sobre os outros revela aspectos sombrios de nossa própria personalidade, como nossos preconceitos, intolerância, deslealdade e falta de habilidades interpessoais.
É muito comum que ao ouvir uma pessoa falando mal de alguém eu possa me sentir inseguro com ela e pense imediatamente que o próximo tema do maledicente poderá ser a minha vida. Se ele fala mal de outros comigo, e eu confio nele aspectos pessoais, quem me garante que ele não falará de mim para outros mais à frente?
 
Mulher é mais fofoqueira que o homem?
É muito comum ter-se uma ideia preconceituosa da fofoca como sendo algo muito mais comum nas bocas femininas. Podemos dizer que realmente há razão nesse pensamento? Fofoca seria coisa de mulher?
Em hipótese alguma. Desconheço pesquisas que apontem mulher ou homem como tendendo a ser mais fofoqueiro. O que acontece é que existem formas de fofocar diferentes em contexto, temas e objetivos. 
Se para as mulheres o salão de beleza é um lugar perfeito para tagarelarem sobre a vida alheia, para os homens pode ser o happy hour ou o intervalo de um futebolzinho na praia regado a cerveja.
E o que dizer da lanchonete ou da sala do cafezinho numa empresa?
No ambiente de trabalho esposas falam mal dos maridos, maridos falam mal de esposas. Algumas mulheres criticam o comportamento, a roupa e o físico até de pessoas amigas. Alguns homens comentam conquistas sexuais com mulheres casadas, algumas até que são suas colegas do escritório. E com riqueza de detalhes, até mesmo os sórdidos!
Enfim, bocas femininas e masculinas podem ser vistas se dedicando a expor situações que viveram, presenciaram ou que lhes foram comunicadas, e fazem julgamentos sobre o trabalho e a vida pessoal dos que com elas convivem. E o melhor para esses temas seria o silêncio.
 
Possíveis origens
Logicamente um comportamento pode ter diversas causas. Listo algumas delas aqui:
Expressão da baixa autoestima - alguém que não gosta de si mesmo ou não valoriza o que faz procura diminuir os demais para poder sentir-se com menor desvantagem. Às vezes pensa que ao falar mal dos outros esconde seus próprios “defeitos” e ganha interesse e atenção de outras pessoas;
Projeção - esse é um termo da psicologia que nos traz a ideia de alguém que vê no outro aquilo que tem em si mesmo, ou questões e temas com os quais não lida muito bem – na verdade o outro é apenas um espelho das realidades que tem em si;
Estratégia de ataque - alguém faz fofoca com objetivo de “queimar” a imagem de um colega e obter vantagens com isso, que pode ser inclusive a ocupação do cargo que pertence a ele no momento;
Automatismo inconsequente - alguém faz fofoca simplesmente porque se habituou a esse tipo de comunicação e não imagina o que pode redundar de mal com seus comentários;
Pretensão altruísta – imagina que está comentando algo para o bem da própria pessoa ou do grupo.
No fundo temos a fofoca como uma atitude antiética que acaba sendo uma demonstração inequívoca de que, seja homem ou mulher o fofoqueiro, essa pessoa não vive uma vida interessante. Se ela prefere demonstrar tamanho interesse pela vida do outro é porque está atestando que a própria vida é profundamente desinteressante.
E isso chateia e aborrece, além de causar malefícios à produtividade e para os relacionamentos.
 
Causa de irritação
Observemos uma pesquisa interessante conduzida em 2011 pela rede Linkedin: a ideia era descobrir em diversos países o que mais irritava as pessoas no ambiente de trabalho.
Nos Estados Unidos era a atitude de colegas pegando coisas particulares que foram deixadas no refrigerador coletivo. No Japão, chacotas e apelidos ou ser motivo de piadas. Para os indianos o que mais irritava era o toque dos celulares dos colegas. E para os brasileiros, em primeiro lugar: a fofoca.
Além da irritação, as informações que a maledicência divulga normalmente não são checadas e podem ser tomadas como verdade, o que acarreta problemas sérios e podem até redundar em demissões. O fofoqueiro pode criar um clima bastante hostil para pessoas que são vitimas de sua fala e causar sérios problemas de relacionamento.
 
Um “mal curável”
E será que fofoca tem cura? Percebendo todos esses malefícios que ela causa no ambiente de trabalho, uma pessoa viciada em maledicência pode mudar esse comportamento?
Essa é a boa noticia. Sim, fofoca tem cura.
É possível criar nas empresas uma cultura de comunicação e transparência nas relações que deixe aquele que faz fofoca falando sozinho. Isso tende a fazer seu comportamento diminuir em intensidade já que não recebe reforço. Não alimentar já é um ponto bem positivo. Outras estratégias que teriam mais a ver com gestão são relativas a ações efetivas de melhoria das relações interpessoais, ter líderes assertivos e com habilidades de comunicação, bem como fomentar um clima de cooperação interna, com especial atenção aos valores e princípios que fazem parte da cultura da organização. A empresa igualmente pode investir em treinamentos e em coaching especificamente para ajudar seus profissionais que, melhorando em aspectos pessoais, transformam-se nas comunicações e nos relacionamentos, consequentemente apresentando mudanças positivas na esfera profissional.
Antes de tudo é muito importante que aquele que se vê com esse comportamento possa se dar conta do que lhe acontece e queira empenhar-se num processo de mudança.
 
Pressupostos úteis à compreensão e à mudança 
A fofoca é irreversível- Quando se emitem palavras más sobre alguém faz-se algo que não tem retorno. É como abrir um saco com penas de ganso ao vento no alto de uma montanha e depois procurar catá-las uma a uma e devolvê-las ao saco. Segundo Lacan, "a palavra pertence a quem escuta", e uma vez lançada não há como se ter mais qualquer poder sobre suas consequências. Elas serão, de fato, imprevisíveis.
 
A fofoca é evitável- Há automatismos em vários tipos de comportamento humano. São formas de agir, modelos e padrões que por já terem sido repetidos inúmeras vezes acabam se tornando até inconscientes. Quando a pessoa se dá conta, já fez. A fofoca pode ser um desses automatismos. No momento em que alguém percebe que está se envolvendo numa fofoca, criando ou alimentando, pode interromper o processo imediatamente. Questionamentos úteis: Isso vai me trazer o que de bom? Eu falaria isso na presença dessa pessoa? Que aspectos positivos posso evocar a respeito dele(a)? Não será melhor calar agora do que me arrepender depois?
 
A fofoca é um comportamento e não a identidade- Identifique o comportamento da fofoca e não obrigatoriamente o fofoqueiro. Não se deve rotular uma pessoa por causa de uma ação. Mas, diante dela, mantenha-se atento. Se alguém vive falando que outras pessoas são fofoqueiras acaba não percebendo que espalhar esse julgamento já é, em si, uma demonstração de maledicência. Rotular alguém como fofoqueiro, por causa de alguns momentos em que esse alguém se envolveu ou iniciou um "disse-me-disse", é carimbar o outro e fazer com que ele seja muito mal visto pelos demais colegas.
 
A fofoca é contagiante- Se você notar que há grupos formados por pessoas que se deliciam com esse tipo de conversa no ambiente do trabalho, procure distância. Você terá grandes chances de ser identificado como maledicente por viver em papos frequentes com pessoas que se comportam assim.
 
A fofoca não é obrigatoriamente a verdade– Lembre-se: “quem conta um conto, aumenta um ponto”. É bom cercar-se de dados pois as informações que chegam aos nossos ouvidos podem não ser a expressão mais fiel dos fatos. O ser humano possui filtros de percepção que deletam, generalizam e distorcem uma experiência observada. Portanto, quando se ouve ou se repassa uma fofoca é provável que se esteja apenas espalhando opiniões e julgamentos, e não fatos concretos.
 
A fofoca é sobre você. E aí?- Se o tema da fofoca é você e isso afeta sua relação com colegas ou chefia, ou até mesmo ameaça seu trabalho, inicialmente busque mais informações. Procure saber quem é o autor da fofoca e procure ter com ele uma conversa, demonstrando a dignidade de agir às claras; algo que ele próprio não teve. Agindo de uma forma bem pensada, equilibrada, e optando por dizer exatamente o que ouviu e de quem ouviu o comentário pode-se checar se a informação tem procedência. Pode ser que haja necessidade de recorrer a um elemento-terceiro: chefia. Expor o que está acontecendo pode mostrar que você não tem do que temer e quer esclarecer tudo da forma mais transparente. É bom lembrar que, em alguns casos graves, a fofoca pode ser encarada como crime de calúnia e difamação, com punição prevista por lei.
 
Há registros interessantes de um possível diálogo de Sócrates com uma pessoa que queria lhe contar algo ruim sobre uma pessoa conhecida. É o chamado caso do “Filtro Triplo” ou das “Três Peneiras”. Vejamos aqui uma das formas desse episódio que circula pela Internet:
 
Na Grécia Antiga, Sócrates detinha uma alta reputação e era muito estimado pelo seu elevado conhecimento. Um dia, um conhecido do grande filósofo aproximou-se dele e disse:
- Sócrates, sabe o que eu acabei de ouvir acerca daquele teu amigo?
- Espera um minuto – respondeu Sócrates – antes que me digas alguma coisa, gostaria de te fazer um teste. Chama-se o “Teste do Filtro Triplo”.
- Filtro Triplo?
- Sim – continuou Sócrates – Antes que me fales do meu amigo talvez fosse uma boa ideia parar um momento e filtrar aquilo que vais dizer de três formas diferentes. Por isso, o nome de Filtro Triplo.
E continuou:
- O primeiro filtro é VERDADE. Tens a certeza absoluta de que aquilo que me vais dizer é perfeitamente verdadeiro?
- Não – disse o homem – o que acontece é que eu ouvi dizer que…
- Então – diz Sócrates – não sabes se é verdade.
- Passemos ao segundo filtro, que é BONDADE… O que me vais dizer sobre o meu amigo é BOM?
- Não, muito pelo contrário…
- Então – continuou Sócrates – Queres dizer-me algo mau sobre ele e ainda por cima nem sabes se é ou não verdadeiro. Mas, bem, pode ser que ainda passes pelo terceiro filtro que é UTILIDADE. O que me vais dizer sobre essa pessoa será útil para mim?
- Não, acho que não.
- Bem – concluiu Sócrates – se o que me dirás não é nem bom, nem útil e muito menos verdadeiro, para quê dizer-me?
O diálogo aqui reproduzido circula em diversos blogs e é um hit nas escolas e nos papos familiares nos quais se busca educar crianças e adolescentes alertando-os para a ética no falar sobre os outros.
Para mim é inegável que a metáfora dos tais “três filtros” ou “três peneiras” é excelente para nos lembrar algo valioso a respeito da maledicência, tanto para quem vai contar a fofoca como para quem está prestes a escutá-la.
Encontram-se reproduções desse texto com algumas variações, mas em sua grande maioria apontando a lição como sendo de autoria do filósofo clássico grego sem que haja a citação completa da fonte.
Pesquisando - de forma rápida, confesso -  em alguns livros de Platão, o discípulo que registrou as lições de Sócrates a partir da transcrição de seus diálogos, não encontrei nada que se parecesse com essa passagem de sua vida. (Se alguém conhecer, agradeço por me enviar a citação completa. Qual livro de Platão tem esse texto? Já que o próprio Sócrates nada escreveu...).
Apenas achei referências a passagens de textos em árabe, em chinês, e também em alguns livros - um de Chico Xavier intitulado “Aulas da Vida” no qual se informa que se trata de um episódio da vida de Sócrates mesmo, e um outro do escritor português Antônio Botto, “O Livro das Crianças”. Nesse último o texto é apontado como uma conversa de um filho com sua mãe.                                                       
(Vide: http://naveeunaosei.tumblr.com/post/9715563215/o-filtro-triplo)
Portanto, apesar de ter um conteúdo interessante, que carrega uma nobre lição de vida, a propagação desse texto pela internet acaba sendo igualmente uma fofoca quando atribui a Sócrates uma fala que não se encontra nos livros que registram oficialmente os seus diálogos.
Pode ter sido uma história de sua vida, como pode não ter sido.
Nas empresas e na vida pessoal, que tal assumirmos uma postura ainda mais séria e cuidadosa quando se trata de comunicação?
A sabedoria popular nos diz que “moscas não entram em bocas fechadas” e que “o silêncio pode ser a melhor resposta em muitos momentos”.
 
Mude sua vida. Conheça PNL.
Turmas novas de Programação Neurolinguística com Kau Mascarenhas em 2013! Escolha aquela que melhor se encaixa na sua agenda.
Atenção: Há uma turma especialmente adequada para quem mora em outras cidades - em apenas dois blocos, um com quatro dias e outro com três - você completa seu curso.
Comentários
Adicionar
Escrever comentário
Nome:
Email:
 
Título:
 

3.25 Copyright (C) 2007 Alain Georgette / Copyright (C) 2006 Frantisek Hliva. All rights reserved."

 

COLUNISTAS

Adenauer Novaes
Décio Iandoli
Frederico Menezes
     
José Medrado
José Nicanor
Kau Mascarenhas
     
Pablo Capistrano
Ribamar Tourinho
Roberto Lúcio
     
Robson Pinheiro
Adms Auni
     
Wanderley Oliveira    

LOGIN

BLOGS

Blog do José Medrado

Kau Mascarenhas

Blog do Quico

Blog Djalma Argolo

Blog Dr. Décio

Blog - Adenáuer Novaes

MENSAGENS

Portal Kids