Carma não é ficar ao lado de alguém para pagar dívidas espirituais

Uma noção muito pesada e sacrificial de carma tomou conta da cultura ocidental. Talvez por razões da influência da cultura religiosa predominante a visão ocidental adicionou o conceito de dor e pecado a esse princípio, que faz parte das culturas mais antigas do oriente.

Infelizmente as religiões, nelas incluindo a cultura do espírita, estão muito carregadas de um conceito tóxico de Carma, no qual a proposta é sofrer por sofrer, pagar dívidas de outra reencarnação.

Essa cultura trouxe como efeito um comportamento passivo, um conceito distorcido da virtude da resignação. Nessa ótica, resignação é sinônimo de passividade diante de nossos problemas e dificuldades durante a vida, como se eles tivessem sido, previamente, planejados e que adianta tentar mudanças nesse projeto feito antes do renascimento carnal.

Para muitas pessoas, por uma questão de medo e acomodação, é preferível dizer que suas dores são carmas do passado que ela tem que passar, do que se dar ao trabalho de acionar a coragem e o ânimo de encontrar soluções e respostas para sair de suas dificuldades. Transformar o sofrimento em algo útil e educativo, realmente é bem mais trabalhoso!…

O que temos feito muitas vezes é suportado, aguentado situações e relacionamentos, se prendendo a sentimentos e atitudes na convivência, que não acrescentam e ainda nos desestruturam. Devido a essa postura, “esticamos” o nosso carma que já poderia ter se “fechado” em seus ciclos, para abertura de novas etapas. A proposta carmática não é baixar a cabeça e aguentar e sim reagir e encontrar as saídas dos problemas e das más experiências.

Passar uma vida inteira aquentando uma relação em prol da família ou de um casamento pode acarretar sérios problemas espirituais. Desencarnar doente e infeliz, magoado e insatisfeito, causa muita perturbação no mundo espiritual. E, quando reencarna novamente, traz consigo os mesmos problemas para resolver, o Carma ainda não está superado, o ciclo não foi fechado.

Carma não se fecha com dor e sim com aprendizado, com atitude renovada.

Concluímos as nossas etapas carmáticas quando aprendemos o que a dor e os desafios da vida tem para nos ensinar. Isso significa girar a roda da vida, avançar em percepção sobre algo que nos aflige, progredir.

Em uma novela da Rede Globo, o personagem Shankar, representado por Lima Duarte, sempre mencionava um conceito de carma que eu jamais quero esquecer. Ele dizia: “Carma é você estar condenado a agir. Agir para vencer a roda da vida.”

Esse tema tem causado muita confusão e sofrimento na vida de multidões. A interpretação da palavra carma, quase sempre é associada à ideia de ser condenado a uma dor e não ter saída.

Estamos sim condenados a passar alguma experiência nem sempre agradável. A vida, porém, não quer castigar e sim educar.  Que bom pensar desse modo! Isso muda muita coisa!

Quem pensa que tem que passar por algo ruim e acredita que isso não pode ser mudado, pode estar, em verdade, se acomodando na chamada zona de conforto. Para alguns, como já mencionei, permanecer em algum carma pode ser “vantajoso” diante do trabalho que vai dar para sair dele através do encerramento de determinados ciclos de aprendizado.

Quando a gente pensa carma como algo que precisa acontecer, mas do qual podemos nos libertar, o tema ganha um bom senso incomparável. Usando inteligência, disposição sincera de aprender, boa vontade e uma farta dose de coragem, podemos e devemos encerrar muitos ciclos a que fomos condenados. Condenados, diga-se de passagem, a agir para sair deles.

Essa, aliás, é a única condenação aceitável diante do raciocínio lógico que nos leva a construir uma visão misericordiosa de Deus e Suas Sábias Leis. Em outras palavras, as dores e problemas da nossa existência só acontecem para que aprendamos como sair deles. E saindo deles somos transportados a um novo mundo de vivências e sentimentos na aquisição da sabedoria.

Ninguém, em são juízo, deve buscar a dor intencionalmente, todavia, quando ela chegar é muito bom saber que traz junto um recado de Deus que pode ser traduzido mais ou menos assim: “Filho eu lhe entrego essa dor apenas para que olhes no espelho da vida, e perceba o quanto precisas aprender acerca daquilo que ela veio para te ensinar, diante de tuas próprias escolhas. Aprenda o quanto antes a como superar essa dor e concluir teu carma.”

Categorias

Posts Relacionados

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *